Mensagens de Feliz Aniversário

Busca de mensagens de aniversário por: morte

Encontradas 6 mensagens de feliz aniversário para morte:

Feliz Aniversário!

Não olhe a tristeza do homem destruindo uma floresta, olhe sim a beleza de uma flor brotando...
Não sinta a chuva ácida queimar as coisas, sinta o frescor de uma chuva após um dia quente...
Não imagine a poluição dos mares e nas praias, mas imagine o nado de um golfinho numa água cristalina...
Não escute o barulho de uma máquina barulhenta, escute sim o canto dos pássaros em uma floresta...
Não fique triste com um amor que te deixou, mas fique alegre com os com os amores que ainda estão por vir...
Não chore por uma morte de uma pessoa querida, de gargalhadas por uma vida nascida...
Muitas pessoas só se lembram das coisas ruins do mundo, das tristezas que o mundo oferece;
Temos que lembrar que o mundo não é perfeito, mas que existem coisas perfeitas nele.
Existem coisas maravilhosas neste mundo, aproveite sua vida observando as coisas lindas deste mundo, pois a vida é curta e depois da morte, ninguém sabe o que esta por vir;
Talvez um lugar melhor que este, ótimo, esperamos que sim, mas também pode ser um lugar pior, ou que não seja nada. Veja a felicidade nas coisas simples pois a felicidade é simples, não tente complicar uma coisa simples, pois a simplicidade é o caminho para a FELICIDADE.

Parabéns, amor!

Um amor tão forte
A morte não pode vencer
Dimensões diferentes
Eu sei
Incomunicáveis talvez
Mas uma energia superior a todas essas leis
Resiste...

O amor...
Só o amor...
E não um amor qualquer
Um amor verdade
De almas que se completam
Misteriosamente ligadas para sempre

Se escrevo esse cântico de saudade
É para que o mundo saiba que você existe
E não são em vão as recordações vivas em minha memória...

Não há como afirmar que meus pensamentos cheguem até a ti...
Mas acredito em mistérios
Nem tudo ainda foi compreendido...

Por isso onde você estiver
Saiba que escrevo por amor
Inspirado que sou,
Por você...

(José Eduardo Seregato)

Há 25 anos, éramos jovens, mas já sabíamos bem o que queríamos. O amor tem dessas coisas, quando é de verdade o coração logo reconhece! E lá se vão mais de duas décadas de uma linda união, que nos trouxe belos frutos e muitas felicidades.

Conseguimos passar por todas as adversidades com a determinação que só o amor é capaz de gerar. Nesta data tão especial, o dia em que comemoramos as nossas Bodas de Prata, não temos qualquer dúvida de que queremos reafirmar os nossos votos!

O nosso compromisso agora, é chegar às Bodas de Ouro, prometendo a amar um ao outro, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, até que a morte nos separe, como temos feito até hoje!

E que venham mais 25 anos de amor e muitas felicidades para nós!

O meu amor por você não tem prazo de validade. Ele é inesgotável, e continuará fluindo do meu coração com uma força cada vez maior.

Você é tudo o que eu preciso, é mais do que suficiente para mim. Nos teus braços encontrei o conforto que eu preciso, e nos teus lábios encontrei um sorriso que me faz voar mais alto e ser uma pessoa melhor.

Eu amo cada molécula do seu corpo, cada gesto teu. Não passa um segundo da minha vida em que eu não queira te fazer feliz, porque você é tudo para mim.

O nosso amor é único, é mais forte do que a morte, mais resistente que do que qualquer corrente, e por isso nunca acabará.

Você está presente em mim de uma maneira tão especial que não consigo descrever o que significaria não te ter. Seria como perder todos os meus órgãos vitais, seria como ter que viver vazio todos os dias.

Então fique, permaneça na minha vida, no meu interior, para que a minha vida continue fazendo sentido!

Eu te amo! Feliz aniversário!

Feliz Aniversário, amor!

Procuro a ternura súbita,
os olhos ou o sol por nascer
do tamanho do mundo,
o sangue que nenhuma espada viu,
o ar onde a respiração é doce,
um pássaro no bosque
com a forma de um grito de alegria.

Oh, a carícia da terra,
a juventude suspensa,
a fugidia voz da água entre o azul
do prado e de um corpo estendido.

Procuro-te: fruto ou nuvem ou música.
Chamo por ti, e o teu nome ilumina
as coisas mais simples:
o pão e a água,
a cama e a mesa,
os pequenos e dóceis animais,
onde também quero que chegue
o meu canto e a manhã de maio.

Um pássaro e um navio são a mesma coisa
quando te procuro de rosto cravado na luz.
Eu sei que há diferenças,
mas não quando se ama,
não quando apertamos contra o peito
uma flor ávida de orvalho.

Ter só dedos e dentes é muito triste:
dedos para amortalhar crianças,
dentes para roer a solidão,
enquanto o verão pinta de azul o céu
e o mar é devassado pelas estrelas.

Porém eu procuro-te.
Antes que a morte se aproxime, procuro-te.
Nas ruas, nos barcos, na cama,
com amor, com ódio, ao sol, à chuva,
de noite, de dia, triste, alegre — procuro-te.

(Eugénio de Andrade)

Para a minha amada pelos maravilhosos 25 anos do meu lado!

Vês, querida, o horizonte ardendo em chamas?
Além desses outeiros
Vai descambando o sol, e à terra envia
Os raios derradeiros;
A tarde, como noiva que enrubesce,
Traz no rosto um véu mole e transparente;
No fundo azul a estrela do poente
Já tímida aparece.

Como um bafo suavíssimo da noite,
Vem sussurrando o vento
As árvores agita e imprime às folhas
O beijo sonolento.
A flor ajeita o cálix: cedo espera
O orvalho, e entanto exala o doce aroma;
Do leito do oriente a noite assoma
Como uma sombra austera.

Vem tu, agora, ó filha de meus sonhos,
Vem, minha flor querida;
Vem contemplar o céu, página santa
Que amor a ler convida;
Da tua solidão rompe as cadeias;
Desce do teu sombrio e mudo asilo;
Encontrarás aqui o amor tranqüilo...
Que esperas? que receias?

Olha o templo de Deus, pomposo e grande;
Lá do horizonte oposto
A lua, como lâmpada, já surge
A alumiar teu rosto;
Os círios vão arder no altar sagrado,
Estrelinhas do céu que um anjo acende;
Olha como de bálsamos rescende
A c’roa do noivado.

Irão buscar-te em meio do caminho
As minhas esperanças;
E voltarão contigo, entrelaçadas
Nas tuas longas tranças;
No entanto eu preparei teu leito às* sombra
Do limoeiro em flor; colhi contente
Folhas com que alastrei o solo ardente
De verde e mole alfombra.

Pelas ondas do tempo arrebatados,
Até à morte iremos,
Soltos ao longo do baixel da vida
Os esquecidos remos.
Calmos, entre o fragor da tempestade,
Gozaremos o bem que amor encerra;
Passaremos assim do sol da terra
Ao sol da eternidade.

(Machado de Assis)